Em email à imprensa, Alexandre Frota detona Carlos Lombardi, Alexandre Avancini e novelas da Record

Alexandre Frota

Alexandre Frota botou a boca no trambone, e detonou geral

Alexandre Frota voltou a detonar a Rede Record. Desta vez, os alvos foram o autor Carlos Lombardi e o diretor Alexandre Avancini, ambos trabalhando na produção de “Pecado Mortal”, e as novelas da emissora. No início do ano, o ator detonou o apresentador Britto Jr.

Em email à imprensa, Frota não poupou palavras para se referir à Lombardi e Avancini. Inclusive, criticou duramente as novelas da Record e detonou o departamento de dramaturgia da emissora, alegando que “novela, só na Globo”.

CONFIRA O EMAIL:

“Todos do meio sabem que essa novela dirigida pelo insosso Alexandre Avancini, que de bom só tem o sobrenome – aliás eu tive o privilégio de trabalhar com o pai dele [Walter Avancini], aquele sabia dirigir e numa época sem tecnologia, efeitos especiais etc -, não vai decolar, não só por causa dele, não só por estar na Record que não sabe fazer novela, tinha tudo para fazer, espaço, estúdios, equipamentos, até pouco tempo bons profissionais nas áreas de produção, operações, figurinos, cenários, mas foram demitidos para a chegada de amadores da Universal, não estúdios, e sim da Igreja mesmo. Tipo sai o cinegrafista Mauricio Veneno, 35 anos de Globo e que sabe muito – ele estava na Record -, para a entrada de Zé do Louvor”, câmera amador que tem um buffet infantil. É da Igreja e agora faz novela na Record (risos).

Mas Boni, o homem mais importante da TV Brasileira, traído na Globo depois de tudo que fez , afirmou no programa “Roda Viva”, da Cultura, que a Globo e só a Globo sabe fazer novela, e faz tão bem, pelo fato de ter um elenco de primeira, diretores de primeira, autores de primeira e profissionais de primeira, por isso é a primeira. O recado esta dado entenda quem quiser.

Eu não conheço nenhuma mãe que diga de boca cheia, meu sonho é ver meu filho numa novela da Record, ou meu sonho é ver meu filho em Marisol, do SBT, novela que eu protagonizei e nem minha mãe assistia, achava chata a novela (risos). Novela só na Globo. Imaginem vocês, eu gravei “Marisol”, do início ao fim, 15 cenas por dia, 16 horas de gravação diárias, papel um dos principais, de segunda a sábado eu gravava, ao encontrar um amigo na praia, ele abriu os braços pra mim, sorriu e falou: “Caralho, Frota, é você irmão? Tá fazendo o quê? Tá sumidão da TV”, (risos).

Mas voltando a novela da Record, “Pecado Mortal”, título bem original. Eu em 1991/1992 fiz uma novela de Carlos Lombardi, o autor dessa novela ao qual a nota do jornal [Agora São Paulo, que noticiou na coluna “Zapping” deste domingo o fim de tramas gravadas no RecNov] se refere como possivelmente sendo a última, não sei se a última, mas que vai ajudar a afunda ainda mais a teledramaturgia da Record, vai. Já sabemos disso, elenco fraco, direção fraca e previsível e com texto do Lombardi que fez boas coisas na TV, mas depois acabou sua criatividade, sabem por quê? Deixou de existir atrás dele aquele que sempre foi seu mentor, inspiração, aquele do qual ele, Lombardi, foi assistente anos, Silvio de Abreu, aliás os dois nunca trabalharam mais juntos, e vocês perceberam que depois que Silvio de Abreu não assumiu o departamento da Globo, como um supervisor ou consultor geral de teledramaturgia, Lombardi nunca mais fez nada, até não ter seu contrato renovado pela Globo. E aí foi para a Record, e vive enchendo o saco de todo mundo no face, contando com está o andamento da novela, as leituras de texto, que tal ator está muito bem, mentira, esse ator que ele se refere como uma grande surpresa, se ele, Lombardi, estivesse na Globo, primeiro este ator não estaria escalado, segundo se tivesse escalado, Lombardi nem estaria olhando para ele.

Eu não aguento essa, em 1991 tive a coragem de mandar o Lombardi tomar no cu dele, ele pegou e matou meu personagem como vingança (risos), eu saí mas cedo da novela [“Perigosas Peruas”] e fui curtir Nova York , agora tenho lido esses textos enormes que ele posta de estar amando. Sabe que pensando bem eu concordo, poderá sim ser inesquecível e lembrada como a última novela da Record, depois disso, se a Record realmente quiser fazer algo pela teledramaturgia , vão ter que contratar bons diretores de primeira, elenco de primeira, autores de primeira, apostar primeiro em minisséries mais curtas e coesas, com qualidade… “Rei Davi”, “Sansão e Dalila”, “A História de Ester” e “José do Egito”  podem ter uma fotografia linda, cenários maravilhosos, arte boa, mas os nossos atores parecem estar no Teatro Tablado de Maria Clara Machado, e digo mais, ninguém aguenta mais Renata Domingues e Bianca Rinaldi de protagonistas, quando não é uma, é outra, puta que pariu.

Bom, antes quem tomava conta da teledramaturgia da Record, acreditem, era um cara chamado Hiran Silveira, contador de banco, da área administrativa do campo financeiro, sua experiencia em teledramaturgia é com Pica-Pau, pergunto eu a vocês? Poderia dar certo assim?

Abraços, Alexandre Frota, colocando a boca no trombone. Venham me calar.”